PROJETOS

Todos Educação Ambiental Fomento Florestal Neutralização de Carbono

- João Penido - Itaú Eco Mudança

Recuperação da mata ciliar na Represa Dr. João Penido no Município de Juiz de Fora/MG

Objetivos do Projeto:

Recuperar 50 nascentes que contribuem diretamente para a recarga hídrica da Represa;

Contribuir para recarga hídrica do lençol freático;

Contribuir com a neutralização de carbono;

Preservar a flora e da fauna do local e formar corredores ecológicos; Melhorar a qualidade da água do principal manancial de abastecimento de Juiz de Fora/MG.

A Represa:

Área de 68km²;

34 % de sua capacidade em Janeiro de 2015 – Tribuna de Minas, 2015;

Contribuição de 600l/s em junho de 2015. 37% de sua capacidade. JF dependente da Represa João Penido – Tribuna de Minas, 2015.

Pelo menos 09 córregos tributários possuem nascentes em áreas rurais.

Fotos


- PROMATA – Programa de Mata Atlântica

A AMAJF desenvolve projeto de Fomento Florestal na região denominado PROMATA – Programa de Proteção da Mata Atlântica. O PROMATA é uma iniciativa do Instituto Estadual de Florestas do Estado de Minas Gerais em parceria com a AMAJF e a ONG americana TNC The Nature Conservancy.

Esse Programa ao longo de 3 anos vem implementando atividades de preservação neste importante ecossistema, que se encontra fragmentado e sob grande pressão urbana.

Na região da Zona da Mata e Vertentes apenas a ONG AMAJF, foi aceita para fazer parte deste Programa. A Associação pelo Meio Ambiente de Juiz de Fora – AMAJF é responsável pelo PROMATA nos Municípios de Juiz de Fora, Santos Dumont, Matias Barbosa, Simão Pereira, Bicas, Belmiro Braga e Ewbank da Câmara.

A intenção da AMAJF é ampliar a área florestada com espécies da flora nativa da Mata Atlântica principalmente em áreas de preservação permanente (ao longo de córregos e nascentes). Também como objetivo desta iniciativa cita-se a disseminação da conscientização popular da importância da preservação da Mata Atlântica e demais valores agregados à questão ecológica.

O Projeto consiste em cadastrar propriedades rurais e destacar áreas de relevância para reflorestamento ou regeneração natural.

Até julho de 2010 foram cadastrados 1800 hectares dos quais, dos quais 500 hectares com plantio de mudas e 1300 com apenas cercamento da área para regeneração natural. O produtor que quiser participar do Programa receberá a título de incentivo financeiro/fomento florestal a quantia de R$ 140,00 a 300,00 por hectare por ano para manter a sua área cadastrada protegida, mediante um convênio firmado com a AMAJF, TNC e o IEF, além dos insumos para plantio e cercamento da área. A propriedade deve estar inserida em bacia hidrográfica estratégica e cada área não deve ser maior que 40 hectares, possibilitando a adesão de um maior número de proprietários.

Certamente essa característica do Programa é de fundamental importância, pois visa fixar as famílias no campo e ao mesmo tempo proporcionar complemento financeiro ao produtor. Os últimos dados dos beneficiados e da área afetada pelo projeto podem ser conferidos a seguir:

Produtores Cadastrados

Propriedades Cadastradas e Insumos Distribuídos

Para mais informações, basta entrar em contato com a nossa coordenação (32) 99175-4849 ou pelo emailcontato@amajf.org.br.


- Projeto Bolsa Verde

A concessão de incentivo financeiro aos proprietários e posseiros, denominada Bolsa Verde, foi instituída pela Lei 17.727, de 13 de agosto de 2008, e regulamentada pelo Decreto 45.113, de 05 de junho de 2009.

O Bolsa Verde tem por objetivo apoiar a conservação da cobertura vegetal nativa em Minas Gerais, mediante pagamento por serviços ambientais aos proprietários e posseiros que já preservam ou que se comprometem a recuperar a vegetação de origem nativa em suas propriedades ou posses.

A prioridade é para agricultores familiares e pequenos produtores rurais. Também serão contemplados produtores cujas propriedades estejam localizadas no interior de unidades de conservação e sujeitos à desapropriação.

O incentivo financeiro é proporcional à dimensão da área preservada. Recebe mais quem preservar mais até o limite de hectares correspondente a quatro módulos fiscais em seu respectivo município (consultar informação no Anexo V do Manual do Bolsa Verde).

As duas modalidades previstas no Programa Bolsa Verde são a manutenção e a recuperação da cobertura vegetal nativa. A primeira é uma forma de remuneração (premiação) pelos serviços ambientais prestados pelos proprietários e posseiros rurais e estará disponível para solicitações a partir de 2010. A segunda visa ao repasse de um montante menor de recursos financeiros e o repasse de insumos para os beneficiados restaurarem, recomporem ou recuperarem a área com espécies nativas, com previsão de abertura para adesão em 2011.

Os formulários para solicitações estarão disponíveis no citado manual para encaminhamento às unidades desconcentradas do Instituto Estadual de Florestas (IEF), Escritórios Regionais, Núcleos Operacionais de Pesca e Biodiversidade, Agências Especiais e nas unidades das instituições com parceria celebrado por meio de Termo de Cooperação Técnica visando à operacionalização do programa. Além disso, como um programa de política pública, pretende-se que o Bolsa Verde se consolide em todo o território do Estado de Minas Gerais, de forma permanente e universal, acessível a todos os posseiros e produtores rurais que aceitem se vincular ao processo nos termos da legislação.

Manual de Procedimentos&emspDúvidas mais frequentes